quinta-feira, 10 de junho de 2010


Durante todo meu percurso de vida, preocupei-me demasiadamente com o amanhã, em ser feliz no futuro. Não que isso seja errado, mas o ontem sempre faz alguma diferença na nossa vida e não faz sentido ignorá-lo e não tomá-lo como exemplo! O amanhã pode ser igual ao ontem se eu não mudar o modo de ver as coisas.

Ás vezes pensar nisso dá-me umas estranhas crises nostálgicas, onde eu questiono como seria a minha vida se eu tivesse insistido ou desistido de alguma coisa. Aí acabo a ressuscitar velhos fantasmas, e como uma verdadeira obsessão penso nisso durante dias. A insegurança toma conta de mim. E é fácil perceber qual é o meu problema (e por aqui isso já é assunto manjado). A insatisfação.

E eu sei que isso não se passa só comigo, a insatisfação é o monstro do armário para muita gente. Entender o porquê disso é muito complexo. Porque sempre em qualquer ser humano, em qualquer época, falta alguma coisa. E essa falta não deve ser desesperadora, mas sim um incentivo para viajar mais longe, fazer melhor, mesmo que o tão esperado baú de moedas de ouro não esteja no fim do arco-íris. Porque o sentido da vida é ter os pés no chão e entender que a tristeza faz parte da felicidade, pois um completa o outro. Não faz sentido viver como uma eterna sofredora, arrastando as correntes por aí, a lamentar pelo presente, passado e futuro.

3 comentários:

Pedro Sousa disse...

"O poder do agora"
Eckhart Tolle

beijos

edu disse...

a vida pode ser muito complicada, mas depende de nos desconplicala. como diz um amigo meu e eu concordo "nao levas a vida tao a serio pois nao sairás vivo dela".

stefi disse...

edu- bem, concordo plenamente com o que teu amigo diz. :D