sexta-feira, 4 de junho de 2010


Eu gosto da forma do envelhecido. Vejo no velho um grande passatempo, uma diversão para o meu imaginário. É bom abrir gavetas esquecidas e procurar a magia que o tempo exerce sobre as coisas. Eu não tenho receio de amar o que já é antigo, pois cada objecto ultrapassado vai e faz-se novo, mas um novo diferente. Pois o tempo transforma as coisas mais incertas em destino. Quebra a casca superficial, da novidade, deixa apenas o que é essencial, a verdade que nunca vai envelhecer.

1 comentário:

Antonio Branco disse...

a verdade não muda, Stefi. é verdade.
mas envelhece.
envelhece porque cansa.
e há uma altura em que, por cansaço, se procuram novidades, mesmo que não sejam verdades.