sábado, 26 de junho de 2010

Viiiiiiiiiiiiiiiiideo da semana!

É, já sabem. Ao sábado há sempre bom humor por aqui :)


Cão vs. vuvuzela 0-1


Quem diria que uma simples corneta, traria consequências caninas? e humanas.










Mulheres e as suas conversas confusas!







Tu mostra-lhe quem é que manda na casa pá! O truque da mãe funciona sempre!

terça-feira, 22 de junho de 2010



Hoje toquei em tua memória. O som do meu piano facilmente transmitia o porquê de eu ter tocado aquela triste música. Denunciou-me.

Nunca irei lidar com a morte.

sábado, 19 de junho de 2010

video da semana!!!

Aqui temos uma optima maneira de acabar um namoro de 7 anos.


quinta-feira, 17 de junho de 2010

Cada um com as suas terapias...

Tenho três coisas na minha vida que realmente me animam. Uma delas é normal, outra mais ou menos e outra nem tanto. A primeira é a música, tenho uma para cada momento, geralmente relaxam-me, principalmente quando estou naquele momento "vou matar o primeiro que me aparecer á frente". Embora em certas situaçoes, só preciso do silêncio; a segunda é o ginásio, se estou irritada corro muito mais do que o costume, até ficar completamente exauta, apenas para relaxar. Saio de lá cansada sim, porém renovada; e a terceira e última é empurrar a minha cama do lugar, e deitar-me no chão - geladinho! E ficar a olhar da minha janela… mesmo que não tenha nada para ver. Ou então andar descalça no chão frio ou num jardim. Simples assim. E são coisas que me dão tanto prazer, mas tanto prazer que não sei o que seria de mim sem elas! Enfim…terapias!

terça-feira, 15 de junho de 2010


Tento não pensar demais, tento não ter receio e seguir em frente. Queria ter mais atitude e não deixar de fazer algumas coisas que sempre acabo a adiar, por puro medo. Dar conselhos é muito fácil, mas fazer o que dizemos para os outros é totalmente diferente!
Eu ainda quero muita coisa e não quero perder-me pelo caminho...a verdade é que tenho medo do futuro.

domingo, 13 de junho de 2010

Doesn't this just make your soul smile?!

Já tinha falado aqui, o quanto sou apaixonada por piano. Vim aqui, só para vos deixar uma música, á qual sinto um prazer enorme em ouvi-la. Espero que gostem.


Pachelbel's Canon in D em piano.



Digam-me, como pode uma pessoa criar algo tão perfeito como o piano?

sábado, 12 de junho de 2010

sábado é dia dos viiiideos da semana!

Ora ja falamos de gatos com crises de casal, crianças com problemas amorosos, namoradas com sindrome grave....hoje vamos falar, do estado normal de muita gente.








Cada um com a sua bebedura, ora.

quinta-feira, 10 de junho de 2010


Durante todo meu percurso de vida, preocupei-me demasiadamente com o amanhã, em ser feliz no futuro. Não que isso seja errado, mas o ontem sempre faz alguma diferença na nossa vida e não faz sentido ignorá-lo e não tomá-lo como exemplo! O amanhã pode ser igual ao ontem se eu não mudar o modo de ver as coisas.

Ás vezes pensar nisso dá-me umas estranhas crises nostálgicas, onde eu questiono como seria a minha vida se eu tivesse insistido ou desistido de alguma coisa. Aí acabo a ressuscitar velhos fantasmas, e como uma verdadeira obsessão penso nisso durante dias. A insegurança toma conta de mim. E é fácil perceber qual é o meu problema (e por aqui isso já é assunto manjado). A insatisfação.

E eu sei que isso não se passa só comigo, a insatisfação é o monstro do armário para muita gente. Entender o porquê disso é muito complexo. Porque sempre em qualquer ser humano, em qualquer época, falta alguma coisa. E essa falta não deve ser desesperadora, mas sim um incentivo para viajar mais longe, fazer melhor, mesmo que o tão esperado baú de moedas de ouro não esteja no fim do arco-íris. Porque o sentido da vida é ter os pés no chão e entender que a tristeza faz parte da felicidade, pois um completa o outro. Não faz sentido viver como uma eterna sofredora, arrastando as correntes por aí, a lamentar pelo presente, passado e futuro.

terça-feira, 8 de junho de 2010


Às vezes a impressão que me dá é que as coisas mais horripilantes são as melhores! Geralmente o melhor final para um filme de terror, é o inesperado. Coisas muito bonitinhas dão-me náuseas, gente feliz demais para mim é encenação, puro teatro. O horror costuma ser verdadeiro, por pior que seja, não dá para disfarça-lo. Verdade?

É, com certeza, o melhor final para um filme, ou para uma vida. Talvez seja por isso que eu o escolhi. Tudo muito bem planejado e muito bem disfarçado. Se for para ir, quero ir em grande estilo. Quero que todos se sintam culpados e se amargurem por tudo que me fizeram! Eu não sou um brinquedo, mas sempre me trataram como um.


Escolhi um dia qualquer, bem ensolarado e para os outros, até mesmo bonito. Tanto faz. Fazia dias e dias que não saia de casa, todos me ligavam e tentavam falar comigo, era propositado. Saí de lá apenas com uma camisola e chinelos, entrei no elevador apinhado de gente que me olhava assustada e apertei o botão para o último andar.

Foram intermináveis minutos até chegar ao meu destino, tive de esperar todas as pessoas descerem para finalmente conseguir subir. Passei pelo terraço, indo até a extremidade que ficava de frente à avenida. Coloquei o primeiro pé na beirada e olhei para baixo, sorrindo, apoiei o outro. O vento soprava forte na direcção contrária, quem sabe quisesse empurrar-me para longe da beira. Não importava, não ia conseguir.

Contudo, não tinha graça um espectáculo de horrores sem uma plateia assustada. Tirei os chinelos e atirei o primeiro que caiu perto de uma velhinha que olhou para cima e gritou quando me viu. Estava a ficar bom. Esperei poucos minutos e atirei o outro, mas naquela hora já não era necessário mais nada para chamar a atenção.

Primeiro a velhinha avisou todos em volta, alguém ligou para a polícia que começava a anunciar um monte de idiotices com um auto-falante e logo após veio a imprensa. Tinha me informado, e sabia que se demorasse a atirar-me eles iriam me impedir antes mesmo de colocar os pés para fora. Então não ia perder tempo.

O vento soprava cada vez mais forte. Tirei o primeiro pé do apoio e abri meus braços no melhor estilo titanic que consegui e soltei o corpo... Caindo no abismo da morte que todo espectáculo de horrores que se preze deve ter.



"Eu só queria que me respeitassem, que me tratassem como gente, que possui sentimentos e vontades. Acolhi-me no horror, mas tinha inveja dos espectáculos. Resolvi então criar a minha própria e eis o resultado. Ficarei marcada na história com eles, onde eu sei que, seja lá onde eu vá parar, serei tratada como vocês nunca tiveram a capacidade de fazer. Culpem-se sim, é tudo que eu quero! E tenham cuidado para que ninguém puxe o pé à noite, talvez seja os meus cumprimentos quando estiver a passar por perto.
Aquela que vocês humilharam. "

-Ataque de criatividade, eu não sabia o que escrever até o momento em que escrevia.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

homo...e nao me refiro ao sapiens


ok..eu nunca fui de falar aqui no blog de assuntos tabu (religiao, política,etc) simplesmente porque nao suporto preconceito dos outros. No entanto, há uma coisa que nao compreendo e que por sinal me tira do sério.
Lembrei-me que um dia depois do meu aniversário é dia do orgulho gay. Essa palavra sempre me foi enigmática, muita vez achava-a uma boa denominadora de um super herói, Super Gay, nada mal.

Penso bastante sobre o assunto e desde a algum tempo e tenho a mesma opinião. Qual o mal da homosexualidade? O que há de errado? Não só em questão de sexualidade, mas em questão da maioria das individualidades de um ser. Não sei de onde muita gente tira tantos tabus e preconceitos. Na verdade isso é fruto de todo nosso egoísmo, de só achar-mos certo o padrão. O padrão que nunca foi nosso, nos foi inserido por alguém, provavelmente mais burro que nós.

Admiro-os por defenderem suas particularidades, mas sem ofender o próximo, se nós vivêssemos a vida como ela deveria ser vivida respeitaríamos bastante isso. Viveríamos em passividade.

Que com a evolução da humanidade, evoluam também nossos cérebros e que passemos a aceitar certas coisas com mais naturalidade, como na verdade devem ser.

domingo, 6 de junho de 2010


Ela sempre me dizia: "a dor é a nossa melhor amiga". Mas como???

Estava ela a falar...
Da dor que nos maltrata?
Da dor que nos revolta?
Ou a dor que nos inspira.
A dor que nos cura.

Tantos lamentos, tantas dores neste mundo, pois através delas, somos instigados a despertar e seguir o nosso caminho numa outra faixa de vibração. O dia virá em que não teremos mais dores nem sofrimentos... mas sim, uma enorme satisfação em olharmos para trás e vermos o quanto evoluímos!! Em olharmos para frente e vermos o quanto nos falta ainda para subirmos mais um degrau.

sábado, 5 de junho de 2010

Sábado é dia do viiideo da semana!




hehe que linda. Espera até chegar á adolescência :D

-------------------------------------------------------------------------------------




parece uma criança da máfia hunf

sexta-feira, 4 de junho de 2010

cansada.


Ela cansou-se de amar e sofrer, de sofrer e amar, mas principalmente cansou-se de sofrer e morrer. Não fisicamente, mas psicologicamente. Quantas vezes já sucumbiu ao último suspiro, e depois reviveu fracamente com a luta do corpo, arrastando-se por mais um fiapo de vida, amando e sofrendo, sofrendo e amando, sofrendo e morrendo.

Quis chorar, já sem lágrimas para tal. Apenas ductos ressecados e tristes. É, até os olhos cansaram; cansaram de chorar. Quis correr, mas a força necessária para isso cansou de esperar alguma atitude e foi-se embora. Quis gritar, contudo não viu fundamento para isso, cansou-se de tentar se fazer ouvir.

Por fim, quis morrer, a morte não parecia cansada. Respirou, sentou, respirou e suspirou, por uma última vez. Sozinha, sempre sozinha.

PS 1: Só para constar, nem todos os meus textos são sobre mim.

Eu gosto da forma do envelhecido. Vejo no velho um grande passatempo, uma diversão para o meu imaginário. É bom abrir gavetas esquecidas e procurar a magia que o tempo exerce sobre as coisas. Eu não tenho receio de amar o que já é antigo, pois cada objecto ultrapassado vai e faz-se novo, mas um novo diferente. Pois o tempo transforma as coisas mais incertas em destino. Quebra a casca superficial, da novidade, deixa apenas o que é essencial, a verdade que nunca vai envelhecer.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Inexplicável



Eu nunca soube dizer ao certo o que há entre nós dois. Era impossível descobrir se te queria ou não. Porque cada vez que eu criava certezas...as tuas palavras destruiam-nas, as vezes até a falta delas. Eu não queria te querer. Desejaria até o fim dos tempos que fosses só mais um, mas por incrível que pareça não és. Não sei onde o destino quer me levar, não sei se vai dar certo, nem se vou me magoar.És o tipo de pessoa errada, que me completa, que me faz sonhar acordada, chorar por desacreditar na nossa história, ter raiva, ciúmes, alegrias... mexes comigo de uma forma inexplicável e eu já não consigo mudar isso. Deixei o sentimento crescer. Sem "pra que?", sem "porquê?". Ganhas-te da maneira como eu jamais te vou ganhar! E isso é o que torna este amor uma triste parte da minha história.

A tua melhor parte...


Talvez a tua melhor parte seja o que fazes,o teu sorriso, ou o caminho que escolhes-te seguir. Talvez seja o teu jeito de falar ou de ver o mundo.
Talvez a maneira como enfrentas os teus medos e te dê alguma força, ou segurança. Talvez os outros te deixem em baixo e, certamente, nenhum deles vai te levantar.

Então a tua melhor parte talvez seja esse teu jeito único de levar a vida com alegria, apesar de tudo. E continuar a sorrir...