segunda-feira, 16 de maio de 2011


Naquele dia eu fugi… Fugi de todos. Tentei ir tão longe, que as minhas pernas não aguentavam mais correr! Fugi porque estava cansada. Não era cansaço físico. Era emocional. Fugi porque estava destruída. Fugi porque não aguentava mais a pressão de mim mesma para ignorar tanta coisa. Fugi porque achava que não era importante pra ninguém. Estava tão longe, estava a fugir do mundo. Queria viver sozinha, num buraco escuro, onde havia paz. Eu queria fugir, e fugi. Mas fugir não foi o suficiente para mim… tive que voltar. E quando voltei, aprendi que fugir não adianta... Tive que estufar o peito e suportar.

1 comentário:

Lu! disse...

Sim, tens razão, fugir não adianta, mas às vezes parece ser a única solução =/