terça-feira, 20 de setembro de 2011

Ela é intensa como o mar, mas é leve como a brisa, muitos dizem que ela tem os olhos tristes, e um sorriso doce. Dizem que não é fácil lidar com ela, de ser interpretada, de ser entendida, talvez seja essa a peculiaridade dela, não se deixar abrir, não ser um livro exposto na vitrine, eu diria que ela é cheia de cadeados, é difícil decifra-la, e mais ainda penetra-la, é uma mistura de segredos e vontades, ela tem um olhar que perturba e atrai, mesmo que seus olhinhos sejam tristes, ela acha que tem um coração pequeno, pois nada cabe nele já que sempre tudo que ela põe lá acaba transbordando pro resto do seu corpo. É pecado querer descreve-la, porque não há como. Ela tem uma mala na vida, uma mala que ela carrega sempre, uma mala cheia de afeto, carinho, ternura, doçura, encanto, paixão, e também um pouco de nostalgia e uma mistura de pequenas coisas amargas, que segundo ela são necessárias mas que raramente usa, ela é como é, ela é igual a muitas outras, e ainda assim ela é diferente de todas.

Sem comentários: