sábado, 26 de fevereiro de 2011


Vai chegar uma hora, em que eu não vou suportar tanta m*rda. Eu vou querer mudar, vou querer ser pior ou melhor. Não sei bem, mas eu vou mudar. Talvez esse meu lado “bonzinho”, desapareça de uma vez. Ou esse meu lado “querido”, ou os dois quem sabe… Eu sei que muita coisa vai mudar, e ninguém vai ter o direito de reclamar, pois eu já guardei coisas demais, as pessoas tem o direito de explodir e mudar. Certo? Então eu vou fazer a minha parte, posso ser diferente sim, mas quanto a isso, ninguém é. Todo mundo muda, todo mundo aprende mais, de uma forma boa ou má. Mas aprende, e é pra sempre.

Algumas pessoas ficam muito afectadas por eu ser um pouco irônica e por falar na cara. Eu vou começar a ser falsa pra ver se agrado.

O problema de desaparecer sem deixar pistas é o mesmo problema de esconder e ninguém te procurar. Entendes? Vai ser em vão, ninguém dá a mínima.

Todo desespero tem uma causa, toda a ação tem consequência e todos os frios que me dão na barriga tem motivo, tu.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011


Hoje estou exausta. Exausta dos mesmos medos, das mesmas críticas. Estou cansada das mesmas pessoas, dos mesmos rostos. Do mesmo coração partido, do mesmo sorriso. Da mesma felicidade oca e vazia que anda a vaguear por aí. Estou cansada das confusões, das futilidade. Estou cansada do caos. Do mundo. Hoje cansei até de mim. Da minha frustração. Cansei da minha preocupação. Vou mandar para todos um “foda-se” do tamanho da intromissão. E Que dê tudo certo daqui pra frente!

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011


Eu digo a todos que estou bem, mas, na verdade eu não estou. Eu minto por que, o que me magoa, é doloroso demais para ser lembrado e dito constantemente.
Tudo me tem incomodado, principalmente o teu jeito. Eu gostava de olhar pra ti e sentir amor. Hoje eu olho e sinto ódio. Isso mata-me por dentro e, às vezes, incomoda tanto que dói por fora.

Procuras passar por todos os obstáculos com a cabeça erguida. Mas algumas vezes é necessário olharmos para o chão e termos a certeza até mesmo das pequenas pedras. Elas formam feridas, que ao longo do tempo podem se tornar problemas tão inusitados que são capazes de destruir corações, ou até mesmo concertá-los de uma forma cega. E há dias que me pergunto porque isto só acontece comigo. Então lembro-me de ao invés seguir em frente com a cabeça erguida, devo abaixar um pouco o ego para não me ferir mais em pequenas e indesejáveis pedrinhas que terminam de maltratar o que já mais poderá ser curado novamente.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

confissão #3


Tenho a mania de associar músicas e cheiros a cada momento importante na minha vida apenas através das suas letras ou aromas.

É...


Sabe por que não entrego o meu coração a mais ninguém? Por que me entristece recebê-lo de volta em pedaços, leva tempo pra concertar e não é fácil apagar as marcas. Desculpas não fazem parar de doer e também não me fazem esquecer.

sábado, 5 de fevereiro de 2011


Mesmo que não estejas a ouvir eu vou-te dizer, e não é só pra ti, é pró mundo. ”A minha felicidade vem de ti, a minha fonte de amor, e paz. Acalmas-me,fazes-me bem como ninguém faz. É impossível achar alguém igual a ti. Impossível. Porque és tudo o que eu preciso, do que me falta, e do que me resta, para me completar. Preciso de ti, aqui, agora, neste momento, comigo, abraçados.”

E quando eu terminar de dizer, eu vou gritar.