quarta-feira, 4 de abril de 2012

Tem um assunto que me faz confusão e que mexe comigo. Não é que eu tenha qualquer interesse ou inclinação, mas é algo que me deixa curiosa. Bom, o assunto é o suicídio.
Há dias atrás o meu vizinho foi encontrado pela própia filha, enforcado na garagem. A filha tem cerca de 23 anos.
Eu tenho a completa noção que se trata de um tema complicado e que pode gerar várias opiniões distintas. Mas como o blog é meu, irei falar sobre o que penso disto tudo.
Existe um número enorme de pessoas que decidem pôr fim a vida, mas, o que faz um pai dizer a filha para ir comprar pão, para que assim fique sozinho em casa para se enforcar? Ele tinha a plena consciência que a filha ia voltar para casa. O que faz um pai querer que a própria família o encontre assim?
A diferença entre encontrar um ente querido morto e receber a notícia por outros é notória. Será que não havia outra forma de acabar com a vida?
A filha irá ficar com aquela imagem para sempre.
“Mas quem sou eu para julgar” dizem vocês. É a minha opinião. Não acho que seja culpa da pessoa, ou que quem faz isso seja egoísta, já que não pensa na família e blá blá blá. Quem toma uma atitude assim, acredito eu, está tão desesperado que só quer um ponto final. Mas…

Nenhum homem é uma ilha, nós não morremos sozinhos. Ninguém vai embora sem deixar marcas, marcas estas muito mais profundas do que as que ficam na pele de quem se fere. Marcas estas que não vão embora, e que serão lembradas em todos os aniversários em branco, todos os natais que já não terá toda a família reunida,….
Toda a gente já se sentiu sozinho. O problema é que estamos tão preocupados com a nossa própria solidão que esquecemos que o mundo está repleto de solitários porque todos estão dispostos a receber atenção, um abraço amigo, respeito, mas…. Ninguém está disposto a estender a mão. E nessa história toda de nos trancarmos no quarto esperando que alguém abra a porta e nos libere de nós mesmos. O mundo está repleto de pessoas que, assim como nós, também se fecham, também choram, também pedem silenciosamente por ajuda.

2 comentários:

Nuno Margarido disse...

Deve ser um trauma... :\
A sociedade fechou as pessoas, essa é a verdade.
Mas o suicídio é um tema muito polémico e demasiado complicado. Mesmo muito. E não é num texto de 10 ou 15 linhas que se dá uma opinião. Há muitas questões que se põe... muitas mesmo! E muitas variáveis! Enfim... não vale a pena continuar. Suicídio é suicídio.

Ni disse...

O suicídio não acontece quando alguém corta os pulsos ou salta de uma janela com uma corda no pescoço. O verdadeiro suicídio acontece quando acordamos todos os dias da mesma forma que fomos dormir, quando o coração vazio continua vazio, quando a alma continua morta. O suicídio começa por dentro.